Notícias

Publicação: 15/09/2017   Comentários: (1)   Categoria: Palavra do Presidente - Visitas: 520
Notícia

Por que existem os Sindicatos?

Essa é uma pergunta que todos os ferroviários precisam ter a resposta bem clara. Os sindicatos existem para lutar pelos direitos dos trabalhadores. Com a aprovação da reforma trabalhista a contribuição sindical deixa de ser obrigatória. E é nesse momento que você, amigo ferroviário, precisa decidir se seguirá sua luta sozinho ou se nos mantemos unidos para enfrentar todas as batalhas que temos pela frente.

 

Nós somos uma categoria que sofreu e ainda sofre muito com condições de trabalhos indignas, salários baixos e poucos benefícios. Estamos longe de uma condição ideal, mas estamos caminhando para isso. Sem o sindicato para representá-lo você teria que buscar sozinho qualquer melhoria, e ela seria exclusivamente sua.

 

Mas a premissa que diz “a união faz a força” se provou verdadeira ao longo da história. Qual a força que você tem sozinho para negociar o valor do dissidio do seu salário? Os trabalhadores só são fortes, se estiverem juntos.

 

O sindicato precisa do seu apoio e da sua filiação para existir, e ele só faz sentido se lutar por você, trabalhador. Não importa a empresa que você trabalha, com certeza tiveram vitórias que só foram conquistas pela união entre o sindicato e os ferroviários.

 

Nossa luta continua, vamos juntos buscar nossos direitos. Nessa edição do jornal, você poderá acompanhar o andamento das negociações, as vitórias que conquistamos e tudo mais que movimentou o trecho. Boa leitura!

Tags: Por que existem os Sindicatos?

Comentários

Deixe aqui o seu comentário

JOSMARQUESDASILVA - 11/02/2018

OLÁ ISAAC ! São novos tempos mesmo mano , onde a impressão que nos dá é a de que não se precisa mais de SINDICATOS e da UNIÃO DOS TRABALHADORES . ISAC , pensava eu lá nos anos de 80 e um pouquinho antes (pois nasci em janeiro 1960 ) quando tínhamos muitas empresas ESTATAIS e o Governo concedia o que queria e tínhamos de aceitar .Mas como o povo tinha outras preocupações , parecia que estava tudo bem. Surgiram novos tempos pois afirmavamos um novo SINDICATO , talves porque primeiro veio a luta política e depois a trabalhista ; MAS COMO PODE SER NESTA ORDEM ? creio ISAC que havia ,preste bem a sua atenção agora por favor , havia uma mistura dos assuntos SINDICAIS com os assuntos POLÍTICOS (o dia a dia das pessoas) .Me lembro da luta que participei muito , que foi a dispensa dos funcionários estudantes para fazer exames e provas escolares . Veja nisto a mistura pois a questão pessoal atingia a questão trabalhista , e fomos conseguindo aos poucos .Conseguíamos as vezes de forma particularizada , dentro do local de trabalho apenas com o chefe . Mas havia uma questão que envolvia a saúde do trabalhador , nós queimávamos e peneirávamos areia para Locomotivas .A empresa escondia os perigos desta tarefa e eu levei um abaixo assinado ao SR. RUBENS CRAVEIRO , mas ele negociava "suas coisinhas" e nós ficávamos a ver navios(já que sou de SANTOS) , Até o momento em que não esperamos mais e fomos nós mesmos a justiça e lá ganhamos ,após 5 anos de lutas e ameaças , inclusive do SR. CRAVEIRO a minha pessoa após sair do SINDICATO , pois sempre atuei pela ASSOCIAÇÃO DOS ARTÍFICIES , junto com o velho WALDOMIRO COBO e alguns poucos ferroviários corajosos , pois as ameaças eram muitas.E foi com eles que tivemos vitórias , como a equiparação dos salários da seção de FREIOS E MECÂNICA com outras seções nos DEPÓSITOS DE LOCOMOTIVAS e outras lutas que o SR. CRAVEIRO muitas vezes dizia que foram consquistas dele.é típico dos pilantras tomar o que é dos outros para si . Novamente vemos os temas POLÍTICOS se misturarem com os SINDICAIS , mas vejo que no fundo sempre foram assim mas enfrentávamos de forma a separar os temas . Guarino Fernandes, nosso baluarte , me dizia que era preciso que entrássemos para a política para transformar a SOCIEDADE (ele era Comunista) e não apenas ficarmos elegendo políticos que nada tinha com a nossa luta . Hoje ISAAC novamente vejo a mesma situação , precisamos de atuação Política mas não vejo mais o ambiente Político com sinceridade para lutar sem se vender. Então mano , creio que temos , de novo , que nos aproximar das coisas do "dia a dia" do trabalhador , discutir as escolas públicas , a saúde pública , as coisas do bairro , de suas ruas , cidades , os preços , os remédios , as faculdades , PARA PODERMOS GANHAR IMPORTÂNCIA NA VIDA DO TRABALHADOR E ASSIM PODERMOS FORMAR NOVAMENTE A UNIÃO E TALVEZ TEREMOS QUE MUDAR O NOME DO SINDICATO PARA "UNIÃO DOS FERROVIÁRIOS" E ASSIM GANHARMOS A FORÇA QUE PERDEMOS COM A DISTÂNCIA ......quando falávamos apenas das coisas TRABALHISTAS e esquecemos que temos que ser uma UNIÃO e não uma coisa chamada SINDICATO .Como as Igrejas CATÓLICAS que já perceberam a distância e já voltam a dar força aos Párocos de bairros e criam o diálogo sobre tudo da vida dos Fiéis. ISAAC , creio que era isto que tinha a tentar contribuir , pois enxergo seu esforço e do ROGÉRIO(que nos chamavamos de "fí de DEUS") . Um abraço ISAAC e senão contribuí em nada , creio que farei voce parar pra pensar nas idiotices de um "homem já meio antigo" que vê que nem tudo que é novo é bom. QUE O CRIADOR CONTINUE LHES DANDO FORÇA PARA ENXERGAR ILUMINADAMENTE JUNTO A ELE E POR DENTRO DO CORAÇÃO DO TRABALHADOR , SAINDO UM POUCO DAS ENGANADORAS LEIS TRABALHISTAS. SP 11 - FEVEREIRO DE 2018 -- JOSÉ MARQUES DA SILVA.