Notícias

Publicação: 06/10/2021   Comentários: (0)   Categoria: Últimas Notícias - Visitas: 58
Notícia

Ferroviários ameaçam entrar na Justiça contra fechamento de bilheterias das estações

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil (Sindcentral) ameaça ir à justiça contra o fim das bilheterias da Companhia Paulista de Trens Metropolitana (CPTM) e do Metrô. De acordo com o secretário geral do sindicato, Mucio Alexandre, a medida traz uma série de prejuízos para funcionários e passageiros. 

A medida foi divulgada na última segundafeira (4) pela Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM). Em 2022, a compra dos bilhetes será feita por meio de aplicativo de celular ou nas máquinas de autoatendimento localizadas dentro das estações. A expectativa é que a economia seja de R$ 100 milhões por ano. Ainda segundo a pasta, os funcionários da bilheteria serão realocados em outras funções. 

Segundo o representante do sindicato, o assunto foi levado ao Departamento Jurídico e cogita até mesmo uma ação civil pública. “O sindicato foi pego de surpresa com essa medida. Repudiamos essa decisão. Vai suprimir o trabalho dos ferroviários e dificultar a vida dos passageiros. Encaminhamos ao Departamento Jurídico para estudar as medidas. Talvez, uma ação civil pública contra essa decisão”, disse Alexandre. 

De acordo com o representante, muitos usuários possuem dificuldade em usar a tecnologia. Eles seriam os principais prejudicados com a medida. Além disso, a medida trará desemprego. “Foi informado de que os funcionários serão realocados para outros setores, haverá desemprego. Sabemos o que é isso. Vamos tentar barrar essa medida”, afirmou. 

Quem também não aprovou o fechamento das bilheterias foi o Sindicato dos Trabalhadores das Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana. O presidente da entidade, José Claudinei Messias, trata a medida como uma “exclusão social”. “As máquinas de Qr Codes só aceitam cartão de débito. Não aceitam dinheiro. Quem não tem acesso ao banco fica fora do sistema público de transporte de passageiros”, disse Messias. 

Messias também mencionou que o bilhete se deteriora rapidamente e as máquinas para retirada do QR Code apresentam diversas falhas. “Quem, consegue comprar, tem duração mínima. É papel térmico e estraga rapidamente, ou seja, dinheiro jogado fora. As máquinas têm apresentado problemas e falta técnicos capacitados para fazer a manutenção dos equipamentos”, pontuou. 

Para o representante, os postos de trabalho serão eliminados. “O transporte público de passageiros precisa ser entendido como uma política pública de transportes. Enquanto não entenderem isso, teremos ações semelhantes ”, finalizou.

Fonte: https://www.diariodesuzano.com.br/cidades/ferroviarios-ameacam-entrar-na-justica-contra-fechamento-de/61465/

Tags: CPTM - Bilheterias - Fechamento

Comentários

Deixe aqui o seu comentário